Não podemos fazer tudo

Não podemos fazer tudo

Acabei por ficar um mês sem escrever, maioritariamente porque ando super stressada com o trabalho.

Ao final do dia, tenho-me sentido esgotada e quando chego tento fazer algum progresso nos meus projectos pessoais, mas sem grande sucesso. E quando não avanço nos meus objectivos pessoais, começo a sentir-me stressada e culpada, entro num ciclo infinito de sentir-me mal e culpar-me por não estar a esforçar-me mais para antigir os meus objectivos. Nem consigo explicar como entro no ciclo, mas quando entro é difícil de sair de lá. Se tudo fosse tão simple como adicionar um break (uma piada de programação para não tornar isto demasiado sério).

De manhã, tenho feito Yoga with Adrienne e fico surpreendida com a calma que ela me transmite e embora já tenha usado videos para fazer yoga, nunca me senti tão próxima do yoga como agora com ela. E sim, depois de fazer yoga no início do dia, sinto-me maravilhosa! Pronta para enfrentar o mundo, mas depois o trabalho acontece e, ao final do dia, não sempre mas frequentemente, toda a minha energia desapareceu.

E quando toda a minha energia desapareceu, em vez de aceitar que não posso trabalhar nos meus projectos pessoais, tento na mesma, e adivinhem? Não sou nada productiva, já nem vejo a razão porque me pus a fazer aquele projecto. Depois fico triste por não me sentir entusiasmada com nada ultimamente.

A resposta para isto é aprender a desculpar-me, tenho de aceitar que é impossível fazer tudo. Acredito que seja pior porque temos acesso à milhões de sites e blogs, que dizem, como atingir isto, como fazer aquilo, como se fosse tão fácil, estamos a ver apenas o sucesso, não o caminho que tiveram de caminhar até lá. Para além do meu trabalho, tenho de fazer coisas de adulto, já não estou na escola. É estranho, mas o meu cérebro nem sempre aceita isso. Não aceita que tenho um tempo limitado para mim agora. E quando não aceita isso, o meu tempo não é totalmente meu pois a culpa/stress impede-me de estar completamente presente.

E perguntam vocês, como cheguei a esta conclusão maravilhosa? Tenho estado desde Sábado em total descanso, aproveitei o feriado e tirei a Segunda-feira. Tive tempo para descontrair, ver um filme, ler um livro, trabalhar nos meus projectos pessoais e agora vejo tudo com olhos diferentes. Conseguem ver a ironia? Esta lucidez toda apenas chegou num momento de pausa, não quando precisava mais dela.

Mesmo assim, é importante para mim chegar a esta conclusão. Não que já não a saiba, mas por alguma razão todos os meses preciso de uma pequena lembrança. E no fundo resume-se a isto:

Preciso de descontrair para ter espaço para outros objectivos da minha vida. E se um dia, quero chegar a casa e ver TV até ir dormir, tenho de ser boa para mim mesma e dizer: está tudo bem. Não há problema, não vais morrer, é só um dia.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *